sexta-feira, maio 31, 2019

SCImago Journal & Country Rank, 2018: Revista Portuguesa de Estudos Regionais

É um resultado modesto mas, ainda assim, é um resultado positivo, se olhado numa perspetiva de continuidade e de posicionamento a longo prazo da Revista Portuguesa de Estudos Regionais (RPER). Premeia o esforço e dedicação de muita gente, da entidade promotora (APDR), aos membros do Conselho Editorial, ao secretariado da RPER e da APDR, e aos autores, que têm feito questão de reforçar o número de submissões em cada ano, reafirmando a credibilidade que a Revista lhes merece. 


quarta-feira, maio 15, 2019

Desenvolvimento Regional em debate (DRd): Novidades sobre a DRd e convite


De: Editoria do Periódico Desenvolvimento Regional em debate – DRd
Para: Colegas Pesquisadores Internacionais
Referente: Novidades sobre a DRd e convite
Caros colegas
Nosso periódico – Desenvolvimento Regional em debate (DRd) – iniciou 2019 com inovações em sua linha editorial. A principal, é mudança para o sistema Publicação Contínua. Com isso, o artigo submetido é publicado imediatamente após sua aprovação pelos pares e revisão dos autores. Assim, conseguimos reduzir radicalmente o tempo entre a submissão e a publicação.
Dentre outras inovações, estão, também novas indexações, renovação de nosso Corpo Editorial e Avaliadores Científicos e ampliação das formas de divulgação.
Além disso, estamos dando maior atenção ao propósito de ampliar o número de artigos de autores de outros países, além do Brasil, por exemplo, Portugal, Espanha e países latino-americanos e africanos. Lembramos que os artigos podem ser escritos nas línguas portuguesa, espanhola e inglesa.
Como novidade, além da submissão de artigos para Publicação Contínua, de forma ininterrupta, abrimos a possibilidade de Edição Especial articulada por Programas de Pós-Graduação (Mestrado e/ou Doutorado), ou Grupos de Pesquisa, com um mínimo de 10 e máximo de 20 artigos, versando sobre as dimensões econômica, organizacional, ambiental, social, histórico-cultural e político-administrativa do desenvolvimento (local, regional, territorial).
Nosso convite se dirige, em especial, a você, tanto para submissão na forma de publicação contínua, como para articulação de uma Edição Especial.
Ficamos à disposição para maiores informações.
Santa Catarina, Brasil, 14 de maio de 2019
Atenciosamente:

Prof. Dr. Valdir Roque Dallabrida – Editor-chefe da revista DRd

Revista Portuguesa de Estudos Regionais, nº 51 (2019): Editorial

During the last nineteen years, we have facilitated an increase of publications related to creative tourism. In 2000, we began following a more structured practice, and after the contribution of a few other authors (e.g., Pearce and Butler, 1993), Raymond and Richards convinced us to pursue the development of a new segment of tourism, which can be considered an evolution of the massified cultural one. In addition to the theoretical arguments that continue to be discussed (we do not have yet a consensual definition), several study cases have been published, and many institutions worldwide began to organize creative initiatives with new tourists’ profiles. These new tourists have new aspirations and can be seen as more responsible travellers with a desire to interact deeply with the local community at the destination, to co-create, and to feel like local citizens.
Creativity has become a condition and is helping destinations passing from massified tourism to a cultural profile and creative solutions. It also became a survival strategy for many destinations.
Even if medium-sized cities and rural areas can offer a valuable contribution to the implementation of this tourism segment, urban spaces continue to be the main focus, and creative tourism industries are still more active and diverse in these areas. Nevertheless, the events of recent years led us to believe that something is changing. This can be true for South Europe, where creative tourism cases have increased greatly, perhaps because the massified model is running out and inducing new offers. Because the heritage wealth of these territories is very high, there are opportunities to apply it in different ways.
The present issue, the 51th of Portuguese Review of Regional Studies, entitled “Creative Tourism and the Community Roles,” provides researchers and practitioners with a better understanding of what creative tourism is and the community roles it brings, structured in six papers.
This issue begins with an interesting paper by Álvaro Dias, Mafalda Patuleia, and Georg Dutschke, entitled “Shared value creation, creative tourism, and local community’s development: The role of cooperation as an antecedent.” It focuses on an unclear issue, i.e., how creative tourism is developed in the context of rural communities with few resources and without a clear view of the path to follow to generate profit from creativity associated with local resources and pratices. Five cases were used, collected from five countries (Brazil, Colombia, Mexico, Peru, and Portugal) through in-depth interviews with local stakeholders.
The second paper, “Empowering Communities through Capacity Development: The Case of Misfat Al Abriyeen Project,” by Rogelio Flores and Carlos Costa, highlights a local project in Al Hamra, Oman. Transforming idle resources into useful, tourism assets, this paper revealed the significance of community empowerment through capacity development. As stated by the authors, “(…) this resulted in locals’ improved source of income, deeper understanding, and cultural interactions with tourists and appreciation of community assets.”
Jorge Ramos, Veronika Rosová, and Ana Cláudia Campos are the authors of the third paper and focus on “Sunny, windy, muddy, and salty creative tourism experience in a salt pan.” The Algarve region was the selected location, and the paper refers to generating profit through traditional elements of the Algarve landscape other than the sun and the sea, like creative tourism experiences developed in the context of the traditional activity of salt production.
The main objectives of the research undertaken were to analyse a co-creation approach within the design of the tourism experience in a salt pan (salt production is an ancient human activity) and to contribute to the design of experiential proposals applied to the case of salt production. After the literature review, which helps the reader understand the main characteristics of creative tourism, the paper underlines that “Creative tourism is believed to respond to the 21st century tourists’ aspirations.” In Portugal, we are still identifying the profile of creative tourists, and we can highlight that they expect the experiences they face to be opportunities not only to learn about local cultures and territories, but also to become engaged at different levels (e.g., sensorially, intellectually, and emotionally).
The fourth paper (“The Potential of Olive Oil for Creative Tourism Experiences in the Northern Region of Portugal”), by Regina Bezerra and Alexandra Correia, is a good example of how linking local products, food, gastronomy, and tourism can create a perfect symbiosis. The case of olive oil tourism presents an opportunity for the development of various creative activities and unique experiences.
The fifth paper discusses “Creative Tourism Experiences in Guimarães: a twofold analysis of visitors’ and suppliers’ perspectives,” written by Carla Melo, Alexandra Correia, Marta Cardoso and Vítor Marques. Its focus is on urban spaces. It is a study using quantitative and qualitative methods in order to understand both visitors (by using a self-administrated questionnaire) and tourism service providers (by using a semi-structured interview). A cultural destination, classified as a World Heritage Site by UNESCO, was selected – the municipality of Guimarães. One of the conclusions is that neither visitors nor service providers associate Guimarães with creative tourism. This occurred as the city’s promotion initiatives have been focused mainly on its heritage, material, and immaterial offerings.
The last paper, entitled “Creative Tourism and Urban Sustainability: The Cases of Lisbon and Oporto,” discusses the traditionally main cities in Portugal and was developed by Cláudia Henriques and Maria Cristina Moreira. It analyses the growing importance of creative tourism in Lisbon and Oporto. The authors assumed that culture and creativity could be measured through a composite set of indicators. With consideration for these two cities, a set of composite indicators that can be used to assess cultural/creative tourism dynamic and policy are discussed. Two main domains were considered: 1) cities and culture/creativity and 2) tourism and sustainability. Some differences were underlined within the two cities. While Lisbon reveals better performance related to cultural vibrancy, creative economy, and an enabling environment when considering Cultural and Creative Cities monitoring, Oporto seems to be better positioned in terms of “Openness, Tolerance, & Trust”, “Graduates in arts & humanities,” and “Graduates in ICT.”
These case studies confirm the existence of different ways of approaching creative tourism and the community roles envisaged in different territories, even if the Portuguese was the one most closely examined. I believe that, in the next years, these tourism segments and territories (mainly the rural ones) can continue to contribute to the implementation of more sustainable development strategies and, this way, follow tourism paths that contradict massified solutions.

Paula Remoaldo
(Guest Editor; Full Professor of the Department of Geography of University of Minho)

sábado, maio 04, 2019

“Vender” os nossos territórios

O título deste artigo pode induzir a ideia de alienação de propriedade imobiliária. O verbo “vender” implica, na sua interpretação mais tradicional, uma mudança de proprietário, um novo dono para algo. Atualmente, este termo é utilizado em sentido mais lato, quando queremos falar de promoção. É sobre isso que me vou debruçar neste texto - vender o território, promover o território, realçar ou evidenciar as qualidades do território, despertar a atenção para o território.
É inegável o poder da comunicação, da publicidade, a forma como condiciona ou, pelo menos, influencia a perceção das populações sobre determinado assunto. A televisão, a rádio e a imprensa, há muito que tiram proveito da sua capacidade para entrar em casa das pessoas, levando as mensagens que lhes são encomendadas.
Nos dias que correm, a internet veio trazer algumas alterações e uma nova realidade. As redes sociais ocupam hoje um lugar cimeiro enquanto canal de comunicação, sendo talvez a forma mais rápida e acessível de chegar a determinados públicos-alvo.
A necessidade das organizações comunicarem de forma sistematizada, com maior eficácia, tem feito com que, ao longo dos últimos anos, tenha proliferado o número de empresas especializadas nesta matéria - as agências de comunicação. São estas empresas que, grosso modo, desenham e põem em prática as estratégias de comunicação das entidades que as contratam para esse efeito.
A esta nova realidade não ficaram alheios os políticos. Se há alguns anos o recurso a agências de comunicação, nos meios políticos, era um exclusivo dos candidatos a Presidente da República, Primeiro-ministro e, na melhor das hipóteses, aos candidatos à presidência de algumas das maiores câmaras do país, a verdade é que hoje é uma prática generalizada. Atrevo-me a dizer que serão escassos os casos de candidatos a câmaras municipais que não têm ao seu serviço uma empresa de comunicação. Diria até que os candidatos que não recorrem aos serviços destas agências, cada vez mais dificilmente conseguem ganhar eleições.
É também comum que, chegados ao poder, os eleitos mantenham os serviços dessas empresas. Agora já não contratadas para promover o candidato e as suas propostas, mas para organizar e gerir a comunicação do município com os seus munícipes e também com o exterior, promovendo o território, vendendo o território.
Defendo que é essencial a profissionalização da comunicação. Os municípios devem garantir uma boa comunicação, com capacidade de divulgar o que de melhor é feito nos nossos territórios, atraindo visitantes, turistas, investidores e mão-de-obra, contribuindo, assim, para a atração e fixação de população.


As agências de comunicação conseguem alimentar as redes sociais, influenciar os meios de comunicação social, enfatizando o que de melhor acontece e se faz no território. Replicando as notícias através dos vários canais disponíveis, criam no público uma perceção de dinâmicas muito positiva.
No entanto, não sou alheio aos perigos que isto representa. Se, por um lado, é importante esta mensagem positiva, atraindo aqueles que estão fora do território e motivando os que aí se encontram, pode também criar uma ilusão, ofuscando a realidade. Ao funcionar como uma espécie de analgésico, pode-se gerar uma sensação de alívio da dor, mas assim que seu efeito passar, porque passa, verificamos que a maleita continua lá, que o problema se mantém ou, muito provavelmente, se agravou.
O ideal e desejável é que essas empresas de comunicação tenham a capacidade de transmitir e divulgar a realidade, de uma forma positiva e construtiva, sim, mas resistindo à tentação, sua ou de quem as contrata, de criar uma ilusão de realidade.
Apenas trabalhando em cima da realidade podemos adotar medidas corretas, alicerçadas, e caminhar todos no mesmo sentido, o sentido do bem comum.

Jorge Ribeiro

(Artigo de opinião produzido no âmbito da unidade curricular “Economia do Turismo”, de opção, lecionada a alunos de vários cursos de mestrado da EEG, a funcionar no 2º semestre do ano letivo 2018/2019)

segunda-feira, abril 29, 2019

Festas da Cidade e Gualterianas

Em Portugal, existem por tradição muitas festas populares, romarias e procissões que, ao longo dos anos, se vão tornando símbolos para as próprias cidades. E Guimarães não é excepção.
Um dos momentos mais esperados pelos vimaranenses são as Festas da Cidade e Gualterianas. É de referenciar que as Festas da Cidade e Gualterianas, além de serem um dos pontos mais altos das festas que existem na cidade Guimarães, também são uma das maiores festas populares do Minho. Estas Festas têm uma união harmoniosa entre o sagrado e o profano.


As Festas da Cidade e Gualterianas são celebradas em honra de São Gualter e surgiram em Guimarães, no ano de 1906. São celebradas sempre no primeiro fim-de-semana do mês de Agosto. Estas Festas marcam a Cidade de Guimarães e os vimaranenses mas, cada vez mais, existem turistas que visitam a Cidade onde nasceu Portugal por esta altura, para conhecerem e viverem de perto as Festas da Cidade e Gualterianas.
Durante o primeiro fim-de-semana do mês de Agosto, podemos esperar vários dias de festa e de alegria, onde se misturam tradições seculares com vivência de uma cidade moderna e onde o espírito é unicamente de festa de alegria por parte dos vimaranenses e turistas que por aqui passam nesta altura. São vários os números que fazem parte destas festas, como a Batalha das Flores, o Cortejo do Linho e a Marcha Gualteriana, entre outros…
A Marcha Gualteriana tornou-se um ponto de referência das Festas Gualterianas, mas durante muito tempo ela sofreu algumas modificações, existindo anos em que a Marcha nem sequer saiu a rua. Esta marcha só em 1932 passou a ter o nome de “Gualteriana”, para conseguir realçar o espírito bairrista e apelar ao empenho e dedicação dos vimaranenses que ajudavam nesta Festa.
Mesmo existindo estas dificuldades, atualmente a Marcha Gualteriana tornou-se uma marca de qualidade, que há muito ultrapassou barreiras. Todos os anos, os vimaranenses, com muito entusiasmo e a força que lhes é caraterística, levam a Marcha Gualteriana para a rua, tornando esta uma “jóia” da coroa das Festa da Cidade de Guimarães e Gualterianas.

Ana Sofia Freitas

(Artigo de opinião produzido no âmbito da unidade curricular “Economia do Turismo”, de opção, lecionada a alunos de vários cursos de mestrado da EEG, a funcionar no 2º semestre do ano letivo 2018/2019)

Turismo ´Fashion`

Em 1991, nasceu aquele que é hoje o mais importante evento de moda em Portugal – a ModaLisboa. Este surgiu de um desafio proposto pelo Pelouro de Turismo da Câmara de Lisboa, com o objetivo de mostrar a criatividade da moda portuguesa.
Com o decorrer dos anos, a indústria de moda em Portugal foi crescendo, o que despontou a criação de uma estrutura mais eficiente para promover essa indústria e divulgar o melhor da Moda Portuguesa para o mundo.
Surge então, em 1996, a Associação ModaLisboa, uma organização sem fins lucrativos, que tem como missão a promoção e o desenvolvimento da Indústria de Moda em Portugal, bem como do capital criativo nacional. Esta associação marcou o início de uma nova etapa no percurso da ModaLisboa, uma vez que toda a estrutura do projeto foi profundamente alterada: “mantiveram-se os desfiles de moda portuguesa, mas a estes juntaram-se outras áreas com ligação ao mundo da moda, como fotografia, ilustração, produção de imagens, design gráfico, multimédia e edição de publicações” (Lisbonne Idée, 2019).
À semelhança do que acontece noutros países, a “ModaLisboa - Lisboa Fashion Week” é realizada duas vezes por ano, em março e outubro, para apresentar as coleções de Primavera/Verão e de Outono/Inverno dos principais estilistas portugueses.
O evento é dirigido a um público profissional constituído por imprensa, compradores, indústria têxtil, assim como convidados dos criadores e representantes de áreas artísticas, culturais, empresariais e institucionais ou, simplesmente, “amantes da moda”. Recebe aproximadamente 20.000 convidados por edição, que assistem ao vivo às apresentações das coleções dos criadores de moda nacionais. Este é o principal projeto da associação, é o evento de moda com maior reconhecimento em Portugal e um dos maiores eventos culturais da cidade de Lisboa.
A Associação ModaLisboa também criou e produz outros projetos importantes, tais como o concurso de jovens designers (Sangue Novo), a pop-up store Wonder Room e as conferências Fast Talks. 
A “ModaLisboa - Lisboa Fashion Week” conta já com 52 edições realizadas, sendo que a última decorreu ente os dias 7 e 10 de Março de 2019,  no Pavilhão Carlos Lopes, em Lisboa, com o tema “ModaLisboa #INSIGHT.
 Está prevista a realização de um conjunto de eventos nas próximas edições da ModaLisboa, no sentido de fomentar o crescimento do evento Lisboa Fashion Week, “através de um reposicionamento que opta pelo prestígio, inovação, criatividade e diferenciação, respondendo de forma mais adequada à procura de públicos internacionais e potenciando o crescimento da Indústria da Moda nacional” (Moda Lisboa, 2019).
         Em Outubro de 2019, a ModaLisboa volta à passerelle com as novas propostas dos Criadores Portugueses, onde estará presente o empenho e a determinação destes, com a mesma energia e amor que este incrível evento nos habituou. O projeto será desenvolvido em estreita ligação com parceiros estratégicos, entre eles, a Câmara Municipal de Lisboa e a Entidade Regional de Turismo de Lisboa. O projeto pretende aumentar a visibilidade e notoriedade internacional da Moda Portuguesa e promover a região de Lisboa.

Célia Cristina Matos Pereira

Referências

MODA LISBOA - Modalisboa Go Global. Portugal, 2019. Disponível em: https://www.modalisboa.pt/pt/modalisboagoglobal.

Lisbonne Idée - Moda Lisboa, Onde Desfilam As Mais Belas Criações De Portugal. Portugal, 2019. Disponível em: http://www.lisbonne-idee.pt/p3623-moda-lisboa-onde-desfilam-mais-belas-criacoes-portugal.html



(Artigo de opinião produzido no âmbito da unidade curricular “Economia do Turismo”, de opção, lecionada a alunos de vários cursos de mestrado da EEG, a funcionar no 2º semestre do ano letivo 2018/2019)

URBACT – mudanças de direção para cidades melhores (parte II)


As cidades (ou vilas) envolvidas no projeto Urbact “Re-grow City”, têm em comum o facto de terem passado por longos processos de declínio populacional e económico. Além da acentuada perda e envelhecimento da população, as dinâmicas económicas são cada vez menores, tornando os territórios pouco atrativos.
A cidade alemã de Altena, líder e exemplo a seguir neste processo de partilha de boas práticas, mudou de dirigentes políticos em 1999, quando o democrata cristão Andreas Hollstein se tornou Mayor. Desde então, têm sido adotadas uma série de medidas, com resultados considerados positivos e, por isso, merecedores de serem replicados nas cidades que fazem parte deste projeto: Melgaço (Portugal), Aluksne (Letónia), Idrija (Eslovénia), Igoumenitsa (Grécia), Isernia (Itália), Manresa (Espanha), Nyírbátor (Hungria).
Como já referido na primeira parte deste artigo, publicada no mês passado, o declínio da cidade de Altena, que conta atualmente com cerca de 19.000 habitantes, está muito ligado a mudanças nos sistemas de produção da indústria do aço, da qual a sua economia estava muito dependente.
Segundo os atuais líderes daquela cidade alemã, a situação foi-se agravando com as respostas adotadas pelos políticos de então. Para tentar contrariar os efeitos desta perda de postos de trabalho e de atratividade da cidade, os governantes da cidade optaram por fazer investimentos pesados em infraestruturas e equipamentos públicos, como bibliotecas, escolas e piscinas.
Apesar daquele ser um período de forte capacidade financeira, os gestores municipais acabaram por gastar mais do que podiam e deviam. Havia a ideia de que quem viesse a seguir traria sempre mais dinheiro. Altena acabou por ficar numa situação de grande endividamento. Na opinião do atual Mayor de Altena, não houve a capacidade de efetuar nenhuma reflexão sobre a mudança que se impunha na forma de gerir.
Com o tempo, devido ao grande endividamento criado naqueles períodos, Altena deixou de ter dinheiro para investir e as infraestruturas começaram a ficar ultrapassadas. Em consequência, a imagem de Altena decaiu e as cidades vizinhas aproveitaram a oportunidade para atrair os jovens, o que acarretou um envelhecimento cada vez maior da população residente.
A principal prioridade do novo executivo consistiu no equilíbrio das contas do município. Numa primeira fase, o próprio Mayor começou por enviar um sinal à população, dispensando o mercedes e o motorista, passando a deslocar-se num VW Polo que ele próprio conduzia.
Seguidamente, o Conselho Municipal aprovou uma série de medidas impopulares, que passavam pelo encerramento de uma das duas piscinas públicas, redução de um terço do número de funcionários municipais, encerramento de duas escolas primárias, redução do número de vereadores, corte nos subsídios aos clubes desportivos e grupos de idosos. Durante estes períodos, foi promovido e incentivado o diálogo com a população, na busca das melhores soluções.
Tendo surgido a vontade de arranjar a rua principal e não havendo orçamento municipal para o efeito, a população, políticos incluídos, uniu-se e voluntariou-se para arranjar a rua, com o seu trabalho. Foi possível perceber que as pessoas eram capazes de se unir à volta de um projeto comum.
Deste trabalho de envolvimento da população, foi desenvolvido um projeto de apoio à terceira idade. Ao fim de dois anos a trabalhar com toda a população, desde os mais idosos até aos mais novos, tentando perceber o que poderia ser mudado na cidade, no sentido de criar melhores condições para as gerações mais velhas, percebeu-se que as pessoas gostavam e eram capazes de trabalhar juntas. A Câmara Municipal passou a ter um papel de apoio à população, assumindo esta, através dos voluntários, a iniciativa das ações.
No final de um processo de dois anos, nasceu uma associação de voluntários, chamada “Stellwerk” (fábrica de aço), onde as pessoas coordenam e criam ideias em regime de voluntariado. Esta associação, que conta com o apoio de 500 a 1000 voluntários, assume hoje um papel cimeiro na vida da cidade.
Por outro lado, a cidade tinha muitas lojas vazias, devido à falta de clientes, à evolução do comércio eletrónico, assim como à idade avançada dos proprietários dessas lojas. Havia vontade e necessidade de gerar uma nova vida para a cidade e surgiu a ideia de trazer novas pessoas para aqueles espaços, dando-lhes a oportunidade de experimentarem, durante 8 semanas, abrir uma loja, com o apoio financeiro do município. No final desse período podiam decidir fechar ou manter o negócio. Fruto desta ideia, além das lojas que vão abrindo e fechando, pelo menos 5 ou 6 lojas mantém-se abertas, no centro da cidade, até aos dias de hoje.
Estamos perante o conceito, hoje já mais difundido, de “pup-up shop”. Em português, o verbo 'to pop up' significa aparecer súbita e inesperadamente. É assim que funcionam estas lojas, tendencialmente temporárias, que abrem as portas em lugares estratégicos e a maioria desaparece pouco tempo depois. O principal objetivo é despertar a curiosidade no público. Por outro lado, podem funcionar também como uma forma de os lojistas ou investidores testarem a recetividade às suas ideias, produtos, serviços.
Estamos assim na presença de dois vetores claros e distintos de intervenção. Um deles focado no envolvimento da sociedade, com a criação de associações ou ONG capazes de atuar nos territórios e influenciar os seus destinos, e outra que se prende com a revitalização urbana, através da criação de dinâmicas nos centros urbanos.
Uma das caraterísticas deste programa é que as cidades e vilas envolvidas têm que escolher qual a vertente onde querem atuar, no caso em concreto, promover o associativismo e o envolvimento da população, ou avançar como medidas de incentivo às “pop-up shops”.
No caso de Melgaço, a opção recaiu nas “pop-up shops”. Cabe agora aos envolvidos no projeto irem para o terreno, ouvirem os proprietários das dezenas de lojas fechadas e perceberem a sua recetividade para a ideia, ouvirem os potenciais lojistas, conhecerem as suas ideias e necessidades.
Se devidamente ouvidas todas as partes interessadas, se tivermos em linha de conta as expectativas de cada um e se forem criadas as condições necessárias, poderemos vir a assistir a um impacte bastante positivo na vida do centro urbano de Melgaço.

Jorge Ribeiro

(Artigo de opinião produzido no âmbito da unidade curricular “Economia do Turismo”, de opção, lecionada a alunos de vários cursos de mestrado da EEG, a funcionar no 2º semestre do ano letivo 2018/2019)

Impactes da Feira Internacional das Camélias no território de Celorico de Basto

A Feira Internacional das Camélias realiza-se todos os anos no município de Celorico de Basto e nos últimos tem ganho cada vez mais relevância ao nível municipal. Normalmente, este evento realiza-se no mês de março, durante um fim-de-semana onde a vila de Celorico de Basto é enfeitada com centenas se não milhares de camélias ao longo das suas avenidas. O evento decorre em época de transição de estações, em que será de esperar a floração das japoneiras. Como se sabe, trata-se de uma flor imponente, que com cores bastante vivas, normalmente vermelho, mas também pode assumir cores mais claras.
Ao longo evento, os visitantes podem usufruir de diversas experiências, como exposições de camélias, com dezenas de trabalhos realizados por produtores e pelas instituições do concelho, e assistir a desfiles onde a flor é acessório fundamental. Na feira, é possível também encontrar produtos tradicionais que os produtores conseguem de certa forma associar às camélias, como chás, doçarias, licores, compotas, entre outros.
A comunidade local também é peça fundamental na decoração e na contextualização dos visitantes na festa, através da decoração de fachadas com símbolos alusivos ao evento. Os negócios locais também são encorajados pela autarquia a participar num concurso que consiste em decorar as montras das lojas com camélias ou elementos caraterísticos. Assim, toda a vila toma uma silhueta diferente durante o evento. A feira conta ainda com expositores, boa parte deles de Espanha e pela primeira vez no ano passado contou com uma comitiva vinda diretamente do Rio Grande do Sul. Este ano foi palco também, pela primeira vez, da batalha de flores, onde os visitantes e locais atiram flores de camélia na avenida frente à Camara Municipal.
Segundo o presidente da câmara, em declarações produzidas no passado ano, o objetivo é incrementar as atividades criadas e nunca perder o espírito inovador. Durante as festividades, Celorico recebe milhares de turistas. Os setores do alojamento e da restauração são os que mais beneficiam, dinamizando economicamente ambos.
O que mais me cativou neste evento é que tem ganho proporções cada vez maiores cada ano que passa. Celorico de Basto tinha no passado ano capacidade para alojar 400 pessoas e devido à procura neste evento vai escalar o número para 600.

Francisco Maia

(Artigo de opinião produzido no âmbito da unidade curricular “economia e Política Regional”, do curso de Mestrado em Geografia do ICS, a funcionar no 2º semestre do ano letivo 2018/2019)

A indústria, parte integrante do património cultural

A indústria, enquanto motor de desenvolvimento da sociedade, é uma parte integrante e indissociável da cultura de um povo ou de uma comunidade.
São inúmeros os vestígios de um passado industrial ativo e fervilhante, assim como são muitas as regiões que têm na indústria o seu único impulsionador económico. Mas não tem de ser, necessariamente, assim.
O setor turístico, ainda em fase de crescimento em alguns locais, atingiu já a sua "maturidade" em vários outros. Isto leva a que as cidades sintam a necessidade de se reinventar. De inovar. Uma das formas, é tornar turisticamente atrativos alguns "novos" aspetos. Falamos do legado industrial de uma comunidade como atração turística.
Numa tentativa de valorização deste património industrial, que também representa (entre outros fatores) a identidade dos locais onde se encontra, tem vindo a verificar-se uma recuperação deste património, e até mesmo uma musealização do mesmo. Esta recuperação leva à valorização dos locais e áreas circundantes, que possam refletir valores de um passado menos distante.
Porém, na minha opinião, o foco das comunidades não deverá nunca centrar-se em apenas um único setor económico. Desta forma, as cidades em que tal seja de algum modo possível, deverão aliar as várias componentes da sua oferta turística, como sejam o turismo cultural e o turismo industrial. Ambos os segmentos desta procura turística são igualmente importantes e podem ser potenciados se a comunidade encontrar formas de os conciliar, abrindo horizontes para que uma cidade possa atrair diferentes públicos. Com isto, quero então dizer que, estes sectores se complementam mutuamente.
Alguns exemplos desta cooperação podem ser observados na cidade de Guimarães. O município tem vindo, continuamente, a trabalhar numa recuperação de edifícios e zonas industriais em degradação prolongada, como forma de valorizar o seu passado industrial e patrimonial. Refiro-me, por exemplo, à indústria dos curtumes. Temos os exemplos da fábrica da Ramada, que é atualmente utilizada para a realização de inúmeros eventos culturais, assim como um Campus Universitário, da Casa da Memória, que ocupa o lugar onde existiu anteriormente uma fábrica, do Laboratório da Paisagem (nos arredores da cidade, em Creixomil), que foi uma empresa têxtil no início do século XX. Numa procura de valorizar num sentido mais amplo este legado patrimonial, Guimarães luta agora pela inclusão da Zona de Couros (onde ainda se observam os vestígios da anterior industria dos curtumes) na zona classificada pela Unesco.
Porém, Guimarães está longe de ser o único exemplo desta valorização da indústria em associação à valorização patrimonial. Outra cidade que poderíamos referir é Bilbau, que se caraterizava por ser uma cidade industrial, com uma silhueta escura, soturna, e que conseguiu reinventar-se, tornando-se num importante polo de turismo cultural. Essa revitalização teve como principal eixo a construção do Museu Guggenheim, pelo Arquiteto Frank Gerhy, que teve como consequência para a cidade um forte impulso na recuperação patrimonial, social e cultural.
Uma cidade que não conseguia ultrapassar o paradigma do turismo exclusivamente de negócios (em função da componente industrial a que fiz referencia atrás), criou em si mesma outros atrativos que potenciaram os visitantes empresariais, fazendo-os ficar mais tempo ou mesmo regressar para visitar a componente cultural da cidade, ao mesmo tempo que atraiu novos visitantes. Isto demostra que a cooperação entre diferentes sectores económicos é uma mais-valia, e foi nesse sentido que a cidade Basca trabalhou.
Há outros exemplos ainda: Dusseldorf, na Alemanha, renovou-se de uma forma muito análoga a Bilbau, reconvertendo a zona ribeirinha num projeto do mesmo arquiteto (Frank Gerhy); a cidade de Joinville, no Brasil, que se carateriza como uma cidade industrial que, apesar de sustentável por via desse sector económico, procura aumentar o turismo como forma complementar de valorização da cidade.
Regressando ao exemplo inicial de Guimarães, seria interessante que a cidade lograsse complementar os seus esforços na divulgação da sua importância histórica, cultural e patrimonial com uma oferta que proporcionasse, a quem a visita, informação sobre o seu legado industrial. Isso permitiria, a prazo, conciliar o melhor de dois mundos: captar potenciais clientes para o seu tecido empresarial e, simultaneamente, potenciar os atuais visitantes industriais, de forma a que sintam vontade de regressar ou de ficar para além das suas estadias profissionais.
É verdade que existem já algumas iniciativas avulsas nesse sentido -nomeadamente um “Roteiro da Industria Têxtil"- mas atrevo-me a dizer que, por motivos que desconheço, as mesmas não vêm obtendo os resultados que aqui defendo como desejáveis e alcançáveis, se integrados numa estratégia holística.
 Em conclusão, diria que, se em alguns casos esta visão de uma cidade como um todo indissociável poderá ser uma necessidade e quiçá o caminho a seguir para impulsionar o desenvolvimento económico, noutros casos, poderá ser um complemento e um fator a acrescentar a uma cidade, que lhe permita criar para si uma maior autonomia económica.

Rita Miranda Pereira

(Artigo de opinião produzido no âmbito da unidade curricular “Património Cultural e Políticas de Desenvolvimento Regional”, do curso de Mestrado em Património Cultural do ICS, a funcionar no 2º semestre do ano letivo 2018/2019)

Enoturismo em Portugal: Rota do Vinho Verde

Portugal é um país rico em regiões vitivinícolas e tem fortes tradições de consumo de vinho, sendo o setor vitivinícola um setor em desenvolvimento e a ganhar cada vez mais importância na economia nacional. A indústria do vinho apresenta um elevado volume de negócios e valor acrescentado e tem um valor positivo na sua balança comercial.

O desenvolvimento deste setor é de extrema importância quer na ocupação rural quer na criação de emprego. A elevada produtividade e capacidade exportadora, que representa 70% do valor produzido, torna esta indústria prioritária para a economia nacional, representando mais de 15% das exportações do setor agroalimentar e mais de 1,5% das exportações nacionais.

De acordo com um estudo elaborado para a Associação das Rotas do Vinho de Portugal, com dados disponibilizados pelo Turismo de Portugal, que contou com a colaboração de cerca de 260 unidades de enoturismo, foi estimado um total de 2,2 milhões de visitantes em 2016.

A criação das rotas dos vinhos, como instrumentos de organização e divulgação do Enoturismo devem ter como objetivo potenciar e desenvolver as economias rurais das regiões vinícolas.

O vinho verde é conhecido mundialmente e cada vez mais é procurado pelos turistas que visitam Portugal, tendo mesmo conseguido diminuir o favoritismo natural dos vinhos maduros. A rota dos vinhos verdes tem como cenário a beleza única da região do Minho, fazendo os turistas percorrer e descobrir as origens, os sabores e a história desta região portuguesa.

A rota em questão percorre 49 concelhos, onde é possível desfrutar de praias, montanhas, vales e rios. A criação deste roteiro teve como ajuda um grande investimento realizado pela Comissão de Vinicultura da Região dos Vinhos Verdes (CVRVV), onde foram aplicados 1,6 milhões de euros através do projeto Minho IN, que foi financiado pelo PROVERE (Programa de Valorização Económica dos Recursos Endógenos, do QREN).

Uma Rota turística tem vários desafios inicias. Para além da promoção necessária, é preciso convencer os produtores a organizarem a oferta, a receberem formação e consultoria em vários domínios do enoturismo. A Rota do Vinhos Verdes inclui percursos temáticos, como a Rota das Cidades e Vilas, a Rota do Mosteiros, a Rota das Quintas e a Rota das Serras.

Existem aproximadamente 60 aderentes á Rota dos Vinhos Verdes e todos oferecem prova e venda de vinhos, visitas às adegas, salvo as que não têm. É também comum a visita às vinhas e, em grau bastante menor, visitas ao Espaço Rural, que inclue museus ou coleções temáticas.

Os clientes Russos procuram rotas temáticas dedicadas à aguardente velha. Os clientes dos Estados Unidos e do Norte da Europa procuram rotas temáticas dedicadas aos solares, aos espumantes, aos vinhos verdes orgânicos ou biológicos.

Um grande investimento, na ordem dos três milhões de euros, efetuado no âmbito do desenvolvimento da rota dos vinhos verdes, visando aumentar a capacidade de absorção de turistas que pretendam pernoitar nessas regiões foi feito pela Quinta da Lixa, que é um dos grandes produtores de vinhos verdes, o Monverde Wine Experience Hotel, do Grupo Unlock Hotels, que se apresenta como o primeiro hotel vínico da Rota dos Vinhos Verdes.

As vindimas, provas comentadas, o programa ‘Enólogo por um dia’, menus gastronómicos, food pairing, spa dedicado à vinoterapia, produção de vinho próprio e possibilidade de criar recordações de viagem únicas são os trunfos do Monverde para captar turistas. Em 2016, este hotel registou mais de 10 mil dormidas, um crescimento de 26%, enquanto o restaurante recebeu 4.500 visitantes.

A formação de “guias” locais e enólogos ou peritos em vinhos e gastronomia é essencial para adaptar as visitas às necessidades dos enoturistas. É prioritária a cooperação entre os alojamentos, os restaurantes, os transportes, os intermediários, os operadores, os fornecedores e o comércio, e a ligação deste com o sector público (administração central, regional e local), para dessa forma criar as condições necessárias para o aumento da afluência de turistas às rota dos vinhos, nomeadamente à dos vinhos verdes.

Portugal tem todos os elementos e condições essenciais para desenvolver este tipo de produto turístico e, através de um desenvolvimento sustentável do Enoturismo, será possível promover o território, desenvolvê-lo e internacionalizá-lo.

Pedro Suspiro Ferreira

(Artigo de opinião produzido no âmbito da unidade curricular “Economia do Turismo”, de opção, lecionada a alunos de vários cursos de mestrado da EEG, a funcionar no 2º semestre do ano letivo 2018/2019)