sexta-feira, Abril 18, 2014

São Gonçalo de Amarante e o turismo nosso de cada dia (à luz de uma regra de três simples)


Pintura a Fresco - S. Gonçalo de Amarante

As expressões da linguagem matemática são muitas vezes usadas na linguagem corrente para exemplificar e simplificar a compreensão dos problemas do dia-a-dia, existindo por vezes pequenas diferenças entre o modo como são interpretadas num contexto matemático e o significado que lhes damos num contexto corrente.
Nesse sentido, este artigo procura estabelecer o paralelo entre a simplicidade de um processo matemático – a regra de três simples – e o entendimento político do Turismo Religioso, dando como exemplo prático o caso de São Gonçalo de Amarante.
A regra de três simples é um processo que resolve problemas que envolvem quatro valores dos quais conhecemos três deles e, como o próprio nome indica, é simples.
Assim, o que se quer ver resolvido, o “x da questão”, é o entendimento que tanto a Religião como a Política fazem do Turismo quando a fé se mete ao meio. A melhor “fórmula” será então aquela que resulta do “produto” da Religião com a Política e onde o “denominador comum” é o Turismo.
Se por um lado a Religião se serve do Turismo como instrumento de evangelização, a Política serve-se deste como instrumento de desenvolvimento económico, social e cultural, de acordo com os atractivos do território e os valores culturais do seu povo, que o identificam, de uma forma que deverá ser sustentável.
Até há bem pouco tempo havia algum preconceito e indiferença em relação a este tipo de turismo e confundia-se peregrinação com turismo religioso. Se o primeiro tem uma motivação exclusivamente religiosa, o segundo, para além desta, tem outras motivações normais de um turista, como o descanso, o lazer, a cultura, a gastronomia, entre outras. A consequência desta abordagem era uma negação da nossa identidade cultural e da nossa história, fortemente marcada pela religião.
Prova da mudança deste entendimento, ao nível político, é a que consta na revisão do Plano Estratégico Nacional de Turismo, para 2013-2015, onde o Turismo Religioso aparece como produto estratégico ao ser individualizado e destacado no produto “Circuitos Turísticos”.
Por outro lado, no comunicado final, da Assembleia Plenária da Conferência Episcopal Portuguesa, de 8 a 11 de abril de 2013, também encontramos referências ao turismo religioso, salientando a importância que este tipo de turismo tem hoje, não só a nível económico, mas sobretudo como meio de evangelização.
Amarante, terra do Norte de Portugal, localiza-se numa encruzilhada entre o Douro Litoral, região à qual pertence administrativamente, Trás-os-Montes e Alto Douro, cujas afinidades provêm da dureza da Serra do Marão, e a região do Minho, de onde vêm as tradições e os costumes mais alegres.
É a partir de São Gonçalo, no Séc. XIII, que Amarante adquire importância e visibilidade. Desenvolve-se, tornando-se alvo de peregrinações e aumenta a população.
Conhecer este símbolo é compreender o desenvolvimento de Amarante, é saber um pouco da história da Igreja Católica em Portugal, profundamente marcada pela ordem dominicana, pelas atitudes e virtudes da época e pelas relações culturais que ultrapassaram fronteiras.
É ainda conhecer parte da história da imigração portuguesa no Brasil e a aculturação de um povo, que, por via da “saudade” dos imigrantes amarantinos, se deixou entranhar do culto a São Gonçalo, sendo ainda hoje o símbolo religioso português de maior referência no Brasil.
Como símbolo que mais identifica Amarante aos olhos do mundo, ele manifesta-se principalmente no património construído – o Mosteiro de São Gonçalo e a ponte velha sobre o rio Tâmega – o cartão postal da cidade.
Quanto ao património imaterial, este manifesta-se nas festividades e no culto a São Gonçalo. Enquanto o culto se mantém genuíno e autêntico, já as festividades populares perderam essa autenticidade, tornando-se iguais a tantas outras espalhadas pelo país.
Com tanto material e valores por explorar, pode ser que a política local e a comunidade (da artística à religiosa) apanhe a boleia da política nacional e quebre com o preconceito do turismo religioso, dando-lhe a importância estratégica merecida para esta terra.
São Gonçalo é de uma importância fulcral no desenvolvimento de Amarante.
Foi-o ontem e assim poderia ser hoje. Simples como a regra!

Mariana Sá

[artigo de opinião produzido no âmbito da unidade curricular “Economia do Turismo” do curso de Mestrado em Economia Social, da EEG/UMinho]

quarta-feira, Abril 16, 2014

O Enoturismo em Portugal, uma nova forma de fazer turismo

O objetivo principal do Enoturismo é a promoção do conhecimento das etapas do processo produtivo do vinho, seus sabores, aromas e características tão apreciadas pelo nosso povo. Não se pode considerar o Enoturismo como apenas uma visita a caves de vinho, e a sua prova no final. Tem muito mais que se lhe diga, existe toda uma interligação entre o local que se está a visitar, com a sua história, as suas atividades, riqueza natural, e o visitante. É enfatizada a necessidade de experimentar, provar e viver toda uma “encenação” que envolve a degustação de um vinho. 
Existe uma relação direta entre as motivações e as experiências que os visitantes vivem quando se deslocam a uma Quinta ou Solar. O Enoturista é convidado a vivenciar a cultura e a tradição do local onde se encontra. Este é contextualizado na importância histórica da atividade da região, é-lhe dado a conhecer não só o vinho mas também a gastronomia local, os pratos regionais característicos da região, que aliados ao vinho local, podem proporcionar uma experiência inesquecível. É-lhe ensinado a escolher o correto vinho que deve acompanhar determinadas iguarias. Se lhe for permitido, e visitar a região na altura certa do ano, pode ser convidado a participar em atividades únicas do local, tais como as vindimas, e a pisa das uvas com os locais, conviver com eles e ouvir as suas histórias, tão ricas e interessantes, que fazem parte da identidade da região. 
Poucas experiências poderão ser tão revigorantes como acordar pela manhã com uma vista para uma imensa vinha, harmonizada com a paisagem, acordar com aquele aroma a uvas frescas e ouvir a Natureza. Estas regiões são extremamente relaxantes, perfeitas para se afastar do rebuliço da cidade, são autênticos “spas-enólogos”. 
Existe uma interligação apaixonante entre a paisagem e as herdades transformadas em Pousadas ou Hotéis de Charme, que abrangem o conceito de “Wine House Hotel”, onde a aposta pela exclusividade e atendimento diferenciado são fortes. Estas Pousadas mantêm uma estrutura familiar e com poucos quartos, com a intenção de poder proporcionar aos seus hóspedes tranquilidade e o melhor atendimento. Estes locais têm a possibilidade de oferecer ao visitante uma visita à sua cave de envelhecimento, onde este se pode dirigir e escolher o que vai beber à refeição. É certamente uma oferta que poucos hotéis de cinco estrelas podem oferecer aos seus hóspedes. 
É este conjunto de características, juntamente com a vontade de aprender os aspetos ecológicos da elaboração do vinho, e os próprios benefícios deste para a saúde que motivam os visitantes a experimentar esta, chamemos-lhe recente, modalidade de turismo nas nossas regiões vitivinícolas. São estes pormenores que distinguem o Enoturismo do Turismo dito tradicional. 
O atual turista é extremamente curioso, e não tem problemas de se deslocar para viver novas experiências. Por outro lado. esta procura das zonas vinícolas para passar alguns dias é extremamente beneficiadora para a região, para o seu comércio e gastronomia. O crescimento do Enoturismo pode ter um impacto positivo na economia local, incentivando o aumento as vendas no comércio da região, restauração e, consequentemente, criar uma situação de aumento do emprego, beneficiando a região e os seus habitantes. 
Esta é também uma forma de abrir os horizontes para novos mercados, uma vez que existe uma grande possibilidade dos visitantes procurarem nas suas residências as marcas que provaram na sua visita. E não há melhor publicidade que um visitante feliz e satisfeito.

Vitor Alexandre de Abreu Pacheco

[artigo de opinião produzido no âmbito da unidade curricular “Economia do Turismo” do curso de Mestrado em Economia Social, da EEG/UMinho]

terça-feira, Abril 15, 2014

“As Assimetrias Regionais em Portugal: análise da convergência versus divergência ao nível dos municípios”

«Resumo

Há muito que a literatura empírica sublinha a realidade socioeconómica assimétrica que Portugal apresenta, contrastando sobretudo litoral e interior, mas também “Norte” e “Sul”. A presente comunicação analisa a evolução das assimetrias ao nível dos municípios do país. Na análise da convergência a que se procedeu usou-se como proxy do nível de bem-estar ou de desenvolvimento dos municípios o Indicador per capita de Poder de Compra (IpcPC) no período 1995-2009. A técnica de análise utilizada foi do tipo seccional, recorrendo ao método de estimação dos mínimos quadrados ordinários. Testa-se quer a convergência sigma (σ), que se manifesta através na diminuição da dispersão do rendimento entre as diferentes regiões ao longo do tempo, quer a convergência beta (β), em que se avalia a existência de uma correlação negativa entre o ritmo de crescimento de uma região e o seu estado de desenvolvimento inicial. Os resultados alcançados sugerem que: i) persistem divergências de desenvolvimento acentuadas entre os vários municípios portugueses; ii) no período em análise, se verificou convergência, quer absoluta, quer condicionada, entre os municípios; iii) é na convergência condicionada que se obtêm os resultados mais robustos.

Palavras-chave:

desequilíbrios regionais; convergência σ; convergência β; municípios portugueses»

José Ferreira Silva, J. Cadima Ribeiro


sexta-feira, Abril 11, 2014

"Does Gender Affect Visiting a World Heritage Site?"

«ABSTRACT 
The city of Guimarães in Portugal is a place of strong symbolic and cultural significance, and the nomination of its historical center as a World Heritage Site in 2001 enhanced its tourism potential. This study presents the results of a survey conducted in 2010 and 2011 to capture the profile and motivations of tourists visiting Guimarães as a cultural tourism destination. The study addressed two main issues: whether males and females have similar or different preferences in choosing the city as their destination, and whether there are gender differences in the perception of the attributes of Guimarães. A better understanding of the gendered nature of the destination is a valuable cue for shaping products and services according to visitors’ preferences. The results suggest that both men and women are aware of the main elements responsible for the city's World Heritage status. That the destination is a Heritage Site that also offers the opportunity to tour the region has a significant positive effect on male tourists’ choice of Guimarães. Regarding the perceived attributes of the city, results indicate minor gender differences with one exception: Women expressed more apprehension than men regarding the perceived security of the destination.»

Paula Cristina RemoaldoLaurentina VareiroJ. Cadima Ribeiro & J. Freitas Santos

Visitor StudiesVolume 17, Issue 1, 2014, pages 89-106.

quarta-feira, Abril 09, 2014

IV Congresso Casa Nobre: apelo a comunicações

 IV Congresso Casa Nobre - renovando o apelo à submissão de comunicações e à participação no evento:

domingo, Abril 06, 2014

Call for papers - XL RER de la AECR: Los sistemas de financiación y el papel de las regiones y los municipios en la recuperación económica

«Call for papers

Is open the call for papers of the XL edition of the Spanish Regional Studies Meting which is being organized in Asturias under the auspices of the Spanish Regional Science Association and will take place in Zaragoza the 20st-21nd November, 2014.
The theme of this edition of the conference is Financing and the role of the regions and towns in the economic recovery.
On behalf of the Aragonese Regional Science Association, we invite you to participate in the XL Conference of Regional Studies, which will be held in Zaragoza the 20th-21st November 2014. As previous editions, we intend to create a discussion forum on Regional Science, between academics and professionals on different disciplines: economic, geography, maths, econometrics, sociology etc. With the debate and discussion we intend to help in the economic making decision process at municipal, regional, national or international level. With respect to this last issue, note that our meeting is open to researches from several countries, within and outside the European Union. This is also the identity of the 7th Seminar Jean Paelinck, that will be held simultaneously in Zaragoza, and whose sessions are open to all participants in the XL Conference of Regional Studies.
The lemma of the XL Conference of Regional Studies is the following: “FINANCING AND THE ROLE OF REGIONS AND TOWNS IN ECONOMIC RECOVERY”. In the present economic context, it is necessary to work on the design of those measures that contribute to overcome the huge economic crisis we are facing to. In this sense, the correct distribution of economic resources at municipal or regional level is a key tool to get it.
The organizing committee is composed by members of the University of Zaragoza and members of the research groups of Quantitative Economic Analysis (GAEC) and Public Economy, both from the University of Zaragoza.
The Scientific Committee is responsible for selecting the contents of the conference. It is presided by Prof. José Villaverde Castro and comprises academics from external universities and institutions. This Committee is responsible for guaranteeing the quality of the presented papers as well as the correct organization of the debates, round tables, etc.
The languages of the XL Conference of Regional Studies are Spanish and English, and the conference will be held in November, 20th-21st. The Conference Sites are the Faculty of Economic and Enterprise  and “Paraninfo” of the University of Zaragoza
From these lines, we want to encourage participating in the XL Conference of Regional Studies to those professional interested in Regional Science. As previously said, we think that diverse perspectives will improve the present state of arts in Regional Science and increase efficiency in the development of national economic growth policies, in general, and policies aimed at the recovery from the present economic crisis, in particular.
On behalf of the Aragonese Regional Science Association, the Organizing Committee and the Scientific Committee, we would like to give special thanks to all the sponsors of this event. We would also like express our wish that this edition of the conference – which, like its predecessors, will prove to be a valuable forum from academic and professional perspectives and in terms of its social impact. Moreover, this forum will offer us the opportunity to discuss the main issues in regional science in the presence of old and new colleagues.
Conxita Rodríguez i Izquierdo
Secretaria AECR
ATENCIÓN NUEVA DIRECCIÓN:
C/ Viladomat, 321 entresuelo  - 08029 Barcelona»

(reprodução parcial de mensagem que me caiu entretanto na caixa de correio eletrónico, proveniente da entidade identificada) 

quarta-feira, Abril 02, 2014

2nd Call for Papers | 20th APDR Congress

«2nd Call for Papers


 
It is our pleasure to announce the 20th APDR Congress, to be held at the University of Évora, Portugal, from July 10 to July 11, 2014. 
 
Theme of the Conference:
Renaissance of the Regions of Southern Europe
 
The 20th APDR Congress has the main theme of Renaissance of the Regions of Southern Europe. In the recent years, the southern Europe countries experienced, particularly aggravated, the economic crisis that affected much of the western world. This crisis has thus helped to exacerbate the existing inequalities between the North and South of Europe. After several decades away from levels of development and economic growth recorded elsewhere and the considerable efforts in terms of regional development policies, the southern regions of Europe need to find your way. Thus, this Congress will seek to answer the following questions: What conditions are necessary for the economic revival of southern Europe? What is wrong in regional development policies pursued so far? How can countries of southern Europe to improve their levels of development? The boundary between Europe and the Mediterranean is a threat or an opportunity? How can Southern Europe take advantage of the connection to the South Atlantic?
 
Provisional Program is attached.
 
The 2nd call for papers is open and your participation is very welcome!
 
Deadline for Abstracts submissions: April 24th , 2014Abstracts should be submitted electronically, using the platform available on the Conference website: https://events.digitalpapers.org/apdr2014/
 
All information at the congress website: http://www.apdr.pt/congresso/2014/
 
Looking forward to meeting you in Évora!
 
Maria Conceição Rego
Chair of the Local Organizing Committee»

(reprodução do corpo principal de mensagem que me caiu entretanto na caixa de correio eletrónico, proveniente da entidade identificada)