quarta-feira, maio 27, 2020

Cultura como recurso y estrategia para un nuevo modelo social de desenvolvimiento económico frente al COVID

Siendo Colombia país presidencialista con un estado unitario, las últimas palabras las tiene, legamente, el mandatario de turno electo por mayoría en votación libre. El actual gobernante, Iván Duque, no se ha distinguido por un mandato en que todos los colombianos confíen, y nada más alejado a una gobernanza colaborativa; lo cual lo convierte en uno de los mandatarios actuales de menos credibilidad al interior del país.
Como muestra de ello, las acciones para dar frente al COVID 19; pues el gobierno nacional se negaba a tomar medidas, inclusive llego a intentar impedir que se pusieran en marcha medidas tomadas a nivel local en varias regiones; medidas que al final no pudieron ser revocadas y estuvieron apoyadas por los pobladores, con sugerencias de Organización Mundial De Salud. Manteniendo en pie los decretos locales por encima de las directrices nacionales. Es así como ante la presión social y el desacato por parte de autoridades regionales, Duque decretó cuarentena total en el país a partir del 25 de marzo.
Luego de esta disputa pública, los colombianos llevan 2 meses en cuarentena total acatando las normas de restricción impuestas en cada ciudad o municipio. Ahora, el Ministerio de la Tecnologías y las comunicaciones lanzo la CoronApp Colombia, una aplicación donde los usuarios prepagos de telefonía celular pueden acceder al beneficio de navegación, en alianza con la plataforma de telescuela nacional. Pero esta inter-conectividad además de estar consiguiendo más que mantener los colegios y empresas trabajando, está logrando unir familiares y amigos que a razón de la cuarentena no se pueden reunir, y la situación actual ha incrementado el valor de las herramientas de comunicación con: cenas virtuales para comer juntos, celebraciones de cumpleaños desde diversas latitudes, partidas de juegos online y hasta fiestas. Todo esto sin salir de casa.
Rápidamente, todos hemos mudado la manera de trabajar, estudiar, interactuar y la cultura no se ha quedado atrás, adaptándose a la tecnología y dejando contenidos públicos para ser vista desde cualquier lugar del mundo, sin costo. Por estos días se puede ver las óperas del MET o el ballet Ruso, recorrer diversos museos ubicados en diferentes países, visitar tumbas faraónicas en Egipto, oír y ver conciertos caseros de una infinidad de músicos, o explorar maravillosas bibliotecas online, entre otras. En esto Colombia no se ha quedado atrás, pues desde distintas plataformas públicas se pueden ver obras de danza o teatro online, oír músicos armonizando los largos de días de esta cuarentena desde sus ventanas e invitando a quedarse en casa.
Estas iniciativas culturales consiguen ser un bálsamo para el alma y la mente mientras el cuerpo debe guardar cuarentena. Logran también que un alto número de personas, que jamás habían pensado en la posibilidad de ver presentaciones o ir lugares remotos a sus hogares, ahora puedan visitar, conocer y disfrutar a través de la net; gracias a esto y a los libros, películas, tareas manuales, experimentar en la cocina o sencillamente bailar, que son expresiones de cultura que cada uno también puede ejercer. Así, está cuarentena está resultando más amable seguramente que la que vivieron nuestros antepasados a lo largo de la historia y sus diversas cuarentenas. Además, son las expresiones culturales las que han conseguido dejar atrás las discusiones entre autoridades regionales y nacionales, pues lograron romper los límites políticos o departamentales de las fronteras, prudentemente cerradas por estos días. Regalándonos así la posibilidad de seguir soñando en comunidad.
Ahora bien, resulta evidente como la cultura es un gran cohesor social y puede seguir siéndolo pasada la cuarentena. Pues, cuenta con las herramientas suficientes para reestructurar la confianza entre comunidades y estas con los gobiernos locales y nacional. Si bien la cultura ha sido instrumentalizada por candidatos y políticos a lo largo de la historia, con el fin de sumar votos, esta vez puede volver a serlo, pero de manera positiva. De aplicarse un modelo de cultura como medio recreativo a través del turismo de enfoque local, en primera instancia, conseguiremos que la población recupere lentamente no solo la confianza, sino que consiga apaciguar los efectos psicológicos de estos últimos sucesos mundiales. Además de esto reactivaremos la economía de forma pausada. Es importante invitar a los pobladores a viajar al interior de la nación, con el fin de reestablecer los motores económicos nacionales.
Por último, no solo basta con el cumplimento de las normas de bioseguridad y el cuidado propio; para aportar al bajo número de concentraciones puede desarrollarse una segunda app que actualice a viajeros sobre puntos focales de COVID y lugares con alta cantidad de personas, con el fin de lograr ser evitados; también puede estar en capacidad de sugerir otros destinos, diversificando la oferta y activando la economía en otros lugares, aprovechando el potencial en parques naturales, como el páramo de Chicaque en Cundinamarca, arqueológicos, como San Agustín en el Huila, o riquezas inmateriales, como el tejido de Ruanas en Boyacá, que tiene el país.
Es así como retomando el inicio de éste articulo, podemos decir que, a partir de desarrollo turístico cultural en áreas rurales, o al aire libre, puede repensarse en alianzas con un modelo integrador de gobernanza que consiga mitigar las disputas pre-Covid y desenvolver mejores políticas de desarrollo regional, vinculando de manera más acertada a poblaciones locales y diversificando la oferta turística para equilibrar la capacidad de carga de algunos lugares más populares.

Manuela Tascón Ruiz

(Artigo de opinião produzido no âmbito da unidade curricular “Património Cultural e Políticas de Desenvolvimento Regional”, lecionada ao Mestrado em Património Cultural, do ICS/UMinho)

terça-feira, maio 26, 2020

Incêndio do Museu nacional do Rio de Janeiro e os danos na preservação da história brasileira

No dia 02 de setembro, o Museu Nacional foi destruído por um incêndio de grandes proporções. Localizado no Rio de Janeiro, o museu é a instituição cientifica mais antiga do Brasil, sendo considerada uma das mais importantes do mundo. Foi fundado pelo Rei Dom João VI, em 1818, sendo seu primeiro acervo fonte de doação da Família Imperial e de colecionadores particulares. O museu possuía o maior acervo de historia natural da America Latina, com peças de valor incalculável, com aproximadamente 20 milhões de itens. O acidente foi considerado a maior tragédia musicológica do país. O incêndio aconteceu no ano em que a instituição iria celebrar 200 anos.
O Museu Nacional é a matriz da ciência brasileira, sendo representante de avanços científicos, conhecimento e da diversidade cultural do país, sendo especializado em paleontologia, antropologia, geologia, arqueologia, zoologia e etnologia biologica. Vestígios do passado, como fosseis, obras artísticas, objetos pessoais entre outras coisas, eram elementos únicos, documentos de pessoas que viveram há séculos ou milênios. Mesmo tendo sido boa parte do acervo digitalizada, dificilmente o que foi perdido pode ser recuperado, sendo assim, a perda desses elementos também significa a perda de parte da historia do Brasil. Possuía uma das mais completas coleções de fosseis de dinossauros do mundo, múmias andinas e egípcias e importantes artefatos da arqueologia do Brasil. Possuía também a biblioteca Francisco Keller, cujo acervo possuía aproximadamente 537 mil livros.
O Museu foi palco de importantes acontecimentos da historia do Brasil: foi residência da Família Imperial, entre 1816 e 1821, e local onde a princesa Leopoldina, esposa de Dom Pedro I do Brasil (Dom Pedro IV de Portugal), assinou a Declaração de Independência do Brasil, em 1822, e onde foi realizada a primeira Assembléia Constituinte, em 1824, para elaboração da primeira Constituição do Brasil.
Segundo Carolina Cunha, o incêndio do Museu Nacional poderia ter sido evitado, mas a falta de investimento e a má gestão foram prejudiciais. O museu exibia problemas na estrutura, não possuía um plano de prevenção e combate a incêndios. Administrado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), desde 1946, também era usado como local de atividades de ensino, seu material era muito utilizado por estudantes de diversos níveis, além de local de pesquisa acadêmica, fazendo com que, com o incêndio, muitos dados de pesquisas tenham sido perdidos.
Segundo o Reitor da instituição, Roberto Leher, o responsável pelo incêndio foi o governo federal, pois este havia reduzido os recursos para a manutenção em 37% em quatro anos. O museu teve salas de exposição fechadas, e por falta de pagamento dos funcionários, em 2015, o museu teve que fechar as portas. Em 2018, a instituição não recebeu o valor completo para a sua manutenção. Segundo o reitor, o museu iria passar por uma reforma para a implantação de um novo sistema de incêndio.
Atualmente, o que restou do edifico está interditado e possivelmente será reconstruído. A UFRJ irá aceitar doações de outras instituições para tentar recompor o seu acervo. A UNESCO esta apoiando o trabalho de reconstrução, entretanto alguns pesquisadores defendem que o museu permaneça como está, para servir de lembrança do descaso e abandono do governo federal em relação à a ciência e pesquisa no Brasil.
Infelizmente, o incêndio do Museu Nacional não foi um caso isolado. Várias instituições culturais perecem com a falta de manutenção e de investimento, demonstrando o descaso com o patrimônio e a ciência. Já foram afetados por incêndio a Cinemateca Brasileira, em 2016, o Museu da Língua Portuguesa, em 2015, o Liceu de Artes e Ofícios, em 2014, o Memorial da América Latina, em 2013, o Museu de Ciências Naturais da PUC Minas, em 2013, e o arquivo do Hospital Psiquiátrico do Juqueri, em 2005.
Os museus universitários têm recursos provenientes das Universidades e Institutos Federais. Outra possível fonte de recursos é o Ministério da Cultura e o IPHAN - Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Segundo Carolina Cunha, a crise fiscal do Estar fez o Governo cortar ainda mais os orçamentos para a preservação do patrimônio cultural nacional e para o desenvolvimento da ciência.

Ana Luiza Costa Novais

Referências:
Ciência - o que o Brasil perdeu com o incêndio do Museu Nacional
O Museu Nacional: ciência e educação numa história institucional brasileira
Incêndio no Museu Nacional completa um ano
Disponivel em: https://exame.com/brasil/incendio-no-museu-nacional-completa-um-ano/ Acessado em:06/05/2020

(Artigo de opinião produzido no âmbito da unidade curricular “Património Cultural e Políticas de Desenvolvimento Regional”, lecionada ao Mestrado em Património Cultural, do ICS/UMinho)

"Enoturismo no Brasil: um estudo comparativo dos perfís dos enoturistas do Vale dos Vinhedos e do Vale de São Francisco"

Resumo
O enoturismo tem apresentado importância crescente, mostrando-se como alternativa de desenvolvimento para as regiões vitivinícolas. Entretanto, a literatura aponta a existência de uma lacuna de informação sobre as caraterísticas e comportamentos dos visitantes. Em razão disso, o presente estudo tem como objetivo principal determinar o perfil dos visitantes da regiões vitivinícolas brasileiras do Vale dos Vinhedos e do Vale de São Francisco. Recorreu-se a dados qualitativos e quantitativos sobre os enoturistas. Os inquéritos foram aplicados aos turistas que visitaram essas regiões vinícolas e os dados foram submetidos a técnicas estatísticas multivariadas com o objetivo de segmentar os visitantes. Os resultados apontam que as visitas podem ter diferentes motivações. Percebeu-se, também, que os turistas encontrados no Vale dos Vinhedos e no Vale de São Francisco têm perfis distintos. Em matéria de estratificação, obtiveram-se quatro segmentos: apaixonados; interessados; visitantes ocasionais; e indiferentes. Os resultados da investigação sugerem que conhecer melhor o perfil do enoturista possibilita a implementação de novas estratégias de marketing e ajuda a formatar a oferta.

Palavras-chave: Enoturismo; Perfil dos enoturistas; Motivações de visita; Vale dos Vinhedos; Vale de São Francisco.

Bárbara Dal Rosso Lima
J. Cadima Ribeiro
Vinícius Pinheiro Nunes

https://online.unisc.br/seer/index.php/redes/article/view/13521

segunda-feira, maio 25, 2020

Valorização turística no interior: o caso de Vila Viçosa

Apostar em viagens e roteiros longe das grandes massas é a estratégia da vez para dinamizar o turismo a nível nacional e internacional. Na verdade, sempre esteve nos planos de desenvolvimento de países com forte apelo turístico como Portugal e Brasil, mas atualmente, devido às consequências causadas pelo Covid-19, os próprios consumidores estão querendo descobrir o interior. Para esse artigo, optei por exemplificar um destino turístico que possui as condições necessárias para acolher à essa nova demanda de turistas que buscam se afastar dos grandes centros urbanos: Vila Viçosa.
​Vila Viçosa é uma vila portuguesa do Alto Alentejo, apelidada de "Princesa do Alentejo". Conhecida como uma das "Cidades do Mármore", Vila Viçosa situa-se aos pés da Serra de Borba¹. Possui apenas 8871 habitantes, sendo um dos concelhos com menor taxa de densidade populacional em Portugal². É uma cidade com um rico património: o imponente paço ducal é um símbolo com grande valor histórico e cultural, e foi sede de uma das famílias mais importantes e nobres, os Braganças. Também foi uma das habitações dos reis D. Luís e D. Carlos.

Figura 1: Paço Ducal de Vila Viçosa

Esse importante facto histórico é acompanhado pela importância do mármore para a cidade, por se situar numa das mais antigas e produtivas superfícies de extração de rochas ornamentais em Portugal. As atividades relacionadas com este recurso têm um grande peso na economia deste concelho e empregam boa parte da população³.
Muitos atores locais dessa região têm percebido o potencial deste recurso endógeno desenvolvendo rotas e atividades em torno do mármore alentejano. Uma das rotas é a Rota do Mármore do Anticlinal de Estremoz, que é uma oferta de animação turística em ambiente industrial que disponibiliza aos visitantes uma experiência única no conhecimento dos diferentes patrimónios relacionados com a indústria dos mármores, sejam eles geológicos, urbanísticos, técnicos, paisagísticos ou outros.
Mas o potencial turístico da princesinha do Alentejo vai além disso. O turismo literário já precisa ser desenvolvido. Isso porque Florbela Espanca, poetisa que nasceu na cidade, atrai muitos turistas e investigadores em busca de apreciar o espólio deixado pela escritora. Outro segmento turístico que possui certa relevância para o desenvolvimento de Vila Viçosa é o turismo rural. Na vila e nos seus arredores é possível encontrar uma boa oferta de hotéis, spas, quintas e pousadas que proporcionam aos turistas um contato mais sossegado com a natureza. E este segmento é um dos vetores para a retomada do turismo de Portugal, criando estratégias para aumentar o turismo doméstico ou nacional. As pessoas estão buscando ser mais socialmente responsáveis, procurando por serviços ecologicamente mais sustentáveis.
Esses estabelecimentos devem criar políticas de forma a certificar o distanciamento social e higienização necessária para evitar riscos de contágio e garantir as condutas seguras para o andamento das atividades turísticas, sendo também possível aderir ao selo Clean & Safe, iniciativa do Turismo de Portugal que incentiva as empresas portuguesas a acolher os turistas com segurança.
Planear e estimular essas atividades e segmentos em conjunto em Vila Viçosa, de forma sustentável, nesses novos tempos é uma estratégia viável e válida para promover o turismo e, consequentemente, contribuir para o desenvolvimento da região, sendo necessário preparar e qualificar sua oferta para proporcionar um bom serviço e suprir as expectativas desse novo perfil de turista mais responsável.

Altamir Braga


(Artigo de opinião produzido no âmbito da unidade curricular “Património Cultural e Políticas de Desenvolvimento Regional”, lecionada ao Mestrado em Património Cultural, do ICS/UMinho)

domingo, maio 24, 2020

Turismo cultural durante e pós COVID-19: sinergias entre patrimónios para a retoma do setor

Se a cultura é o cimento que liga as sociedades contemporâneas, podemos olhar, novamente, para este denominador comum para a retoma do setor do turismo, ainda que repensando e reposicionando certas práticas e ofertas.

No âmbito das políticas públicas para o turismo, o presente artigo pretende defender: i) os recursos endógenos de um território, na sua componente cultural e natural, como a matéria-prima para a construção de uma oferta diferenciadora capaz de reconquistar visitantes durante e após pandemia; ii) o reposicionamento, diversificação e comunicação de uma oferta turística que atenda às necessidades das populações e visitantes afetados pelo confinamento físico e psicológico.

O conceito de património natural está assimilado entre nós, mas é importante relembrá-lo para percebermos o seu potencial no contexto da pandemia que vivemos. A UNESCO definiu-o, tendo sido integrado, nacionalmente, através do Decreto n.º 49/79, de 6 de Junho de 1979, com a seguinte redação: (...) «Les sites naturels ou les zones naturelles strictement délimitées, qui ont une valeur universelle exceptionnelle du point de vue de la science, de la conservation ou de la beauté naturelle»[1].


Figura 1 – Lagoa do Fogo, Ilha de S. Miguel

Uma estratégia de desenvolvimento económico assente na construção de sinergias entre os recursos culturais e a prática turística pode ser, novamente, chamada a construir soluções para atrair as populações e visitantes receosos, mas também cansados do isolamento, para o usufruto dos recursos de um território.

A Estratégica Turismo 2027, do Turismo de Portugal, é muito clara ao enumerar os recursos diferenciadores de que dispomos. No entanto, nos tempos em que vivemos temos de rapidamente repensar a nossa oferta e a forma como ela é disponibilizada por forma a garantir condições de segurança sanitária, fundamentais à recuperação da confiança. Nesse sentido, a recente criação do selo “Clean & Safe” pelo Turismo de Portugal é uma iniciativa fundamental para ajudar o setor a recuperar clientes, promovendo a confiança. A ideia é, obviamente, «promover Portugal como destino seguro do ponto de vista de cuidados com a propagação do vírus».[2], mas não é suficiente. Acresce, também, a necessidade de se repensar a estratégia nacional para o turismo. Olhar, por exemplo, para os recursos do património natural como uma oportunidade e uma solução para o relançamento do setor turístico, pelas condições de segurança que oferece e por envolver atividades não confinadas a espaços fechados.

Do ponto de vista da oferta, é também fundamental repensar os nossos produtos e a nossa comunicação cultural a partir destas ideias: i) apostar na promoção do património natural como alternativa na oferta turística, pois representa baixos riscos de contaminação e a gestão de grupos é mais fácil; ii) fomentar o turismo em territórios de baixa densidade populacional (e por isso mais seguros, tal com os números da DGS atestam); iii) desenhar pacotes de turismo cultural direcionados ao segmento “famílias” que tendo, muito provavelmente, passado o confinamento juntos, sentir-se-ão seguros para viajarem em grupo e ao segmento LGBT, que pelo seu perfil de viajante frequente e fortemente atraído pela cultura dos outros países, serão dos primeiros a viajar; iv) na comunicação da oferta cultural temos a oportunidade, talvez irrepetível, de reposicionar esta área como uma excelente forma de “entretenimento” para as famílias, por oposição à ideia de conhecimento obrigatório (pouco atrativo para os mais novos), uma vez que as opções clássicas, como os parques de diversão, arenas futebolísticas, etc., estão fortemente condicionadas no acesso, conquistando os tão necessários públicos para o setor.

A estas atividades podem ser associadas outras ofertas e serviços, como é o caso das termas, dos SPA e práticas de bem-estar. Portugal, pela oferta de que dispõe nestas áreas, pode estruturar pacotes que conjuguem o turismo cultural, o natural e o do bem-estar para atrair as populações e os visitantes ansiosos por recuperarem do período de confinamento de uma forma holística. A provar esta oportunidade está um recente artigo da seção Fugas, do jornal Público, onde se reporta que no topo das escolhas de destino estão as praias e os espaços ao ar livre e, quanto aos locais, surgem os Açores e a Serra da Arrábida[3]. São invocadas razões como a perceção de segurança, as paisagens singulares, a imersão na natureza, a riqueza vegetal e possuirmos algumas das mais bonitas praias da Europa.

Com a imprevisibilidade da duração da COVID-19, o país pode usar esse tempo para se promover como um destino socialmente consciente e responsável. Esta estratégia e posicionamento pode ajudar à recuperação de empregos perdidos (e à criação de novos) e a impulsionar as áreas satélite da indústria turística (hotelaria, restauração, etc.). Porém, e talvez mais do que em outros momentos, este processo deverá ser implementado a partir um modelo de governança fortemente democrático e participado, entre iniciativa pública, privada e populações, que promova a solidariedade e, sobretudo, a tão necessária confiança.

Alexandre Reis




[3] https://www.publico.pt/2020/03/28/fugas/noticia/onde-ir-acores-arrabida-top-internacional-viajantes-pospandemia-1909843 consultado em 16/05/20

(Artigo de opinião produzido no âmbito da unidade curricular “Património Cultural e Políticas de Desenvolvimento Regional”, lecionada ao Mestrado em Património Cultural, do ICS/UMinho)

sexta-feira, maio 15, 2020

Revista Portuguesa de Estudos Regionais: N. 55 (2020)

Dear Readers,
It is a pleasure to inform you that the issue n. 55 (2020) of ´Revista Portuguesa de Estudos Regionais` (Portuguese Review of Regional Studies) is now available online. You can accede to it using the following link:
Best regards,
J. Cadima Ribeiro

“Residents’ Perceptions of the Tourism Impacts on a Mature Destination: The Case of Madeira Island”

“Residents’ Perceptions of the Tourism Impacts on a Mature Destination: The Case of Madeira Island”, Journal of Tourism and Hospitality Management, Vol. 7, N. 4, 2019, págs. 149-167 (doi: 10.17265/2328-2169/2019.04.001)
http://www.davidpublisher.org/Home/Journal/JTHM

terça-feira, maio 12, 2020

Galway e o Arco Espanhol

A conhecida cidade de Galway, na Irlanda, que recebeu este ano de 2020 o título de Capital da Cultura, sempre teve uma relação comercial muito próxima com a Armada espanhola ou, como conhecemos hoje, Espanha. O Arco Espanhol, ou Spanish Arch, como é nomeado em inglês, faz um tributo justamente a esta relação estreita de comércio que já foi vivida por ambos, e faz referência a um passado que à primeira vista parece distante, vindo de contos de fadas, na era medieval.
Construído em 1584, o Arco espanhol era a porta de entrada para a cidade e um dos poucos pontos do que restou da grande muralha que cercava a cidade de Galway nos tempos medievais. Criada para proteger a cidade da invasão dos exércitos estrangeiros, hoje conta um pouco da história do lugar e deixa-nos com o sentimento de surrealismo ao observar, por uma janela, diretamente do século XVI para o presente uma obra de engenharia que resistiu à força do tempo e do homem.
Ao lado do Arco espanhol, a cidade dispõe de um interessante museu que oferece mais informações sobre a história e dà um toque de fantasia com objetos daquela época e com os brasões das antigas famílias importantes da região, peças usadas no dia-a-dia desse antigo povo, além de uma intrigante reconstituição em 3D do lugar. O museu conta com um andar superior onde pode-se aprender mais sobre a fauna e flora marítima da região, uma vez que essa era uma das principais fontes de mercadoria, e o pescado ainda movimenta a economia, ainda que minimamente, comparado ao que já foi.


Fonte: Google imagens.

Um ótimo lugar para ir e admirar o horizonte tomando um tradicional chá preto com leite, ou reunir os amigos para uma tarde de celebração, hoje o Arco espanhol se tornou ponto de encontro entre os irlandeses e turistas que visitam a região. Ainda é possível descansar na longa passarela ao lado do arco, que possui um belo jardim e uma vista para o mar, além de ser um dos cartões postais da cidade, e contemplar as suas casinhas coloridas à beira do rio que desemboca no oceano.


Fonte: Google imagens.

Camila de Souza Silva

Referências:
GALWAY TOURISM. THE SPANISH ARCH. Retirado de http: https://www.galwaytourism.ie/the-spanish-arch/ (último acesso 05/04/2020).
GALWAY CITY TOP 5 ATTRACTIONS. Retirado de http: https://www.ireland.com/en-gb/destinations/republic-of-ireland/galway/galway-city/articles/galway-city-top-nine-attractions/ (último acesso 05/04/2020).
IRISH WALLED TOWNS NETWORK. Retirado de http: http://irishwalledtownsnetwork.ie/page/galway/galway-info (último acesso 05/04/2020).

(Artigo de opinião produzido no âmbito da unidade curricular “Economia do Turismo”, de opção, lecionada a alunos de vários cursos de mestrado da EEG, a funcionar no 2º semestre do ano letivo 2019/2020)

sábado, maio 09, 2020

Turismo Cultural: Arraial do Pavulagem

Figura 1 – Imagem Arraial do Pavulagem. Foto disponível em “https://cdn.romanews.com.br/img/pc/780/530/dn_noticia/2020/04/pavulagem-dah-passos.jpg”. Acesso em 02 mar. 2020
Com a finalidade de divulgar as músicas da região e valorizar a cultura local, um grupo, em 1987, resolveu fazer uma brincadeira em frente ao Teatro Waldemar Henrique, na Praça da República, em Belém do Pará (Norte do Brasil). Lá, aos domingos, eram levadas alegorias de um boizinho na tala, além de uma pequena banda, o Batalhão da Estrela, que no centro de um palco improvisado, quando se reunião curiosos suficientes, começavam um pequeno festejo com shows gratuitos para o público.
Segundo Lima & Gomberg (2012), Ronaldo Silva, músico da banda, sentiu a necessidade de aprofundar o trabalho. Então, recorreu aos interiores do estado do Pará em busca de elementos culturais locais, como música de raiz, sons, ritmos, confecção de instrumentos próprios e de determinados contextos, como o carimbó.

Figura 2 – Fotografia “Boi Pavulagem”. Foto disponível em “https://www.facebook.com/arraialdopavulagemoficial/photos/a.2545408168805387/2545431128803091/?type=3&theater”. Acesso em 02 mar. 2020

Considerado Património Cultural Imaterial de Belém, atualmente o Arraial do pavulagem ocorre aos domingos do mês de junho. O festejo tem inicio com a chegada de “um barco tradicional da região, que sai do trapiche da Praça Princesa Isabel, no bairro da Condor, e navega pela orla da cidade pela Baía do Guajará, trazendo, além do boi Pavulagem (já não mais um boi de tala), um boi-bumbá tradicional (Figura 2), o mastro de são João, que é levado em cortejo da Escadinha do Cais do Porto até a Praça da República, onde é fincado, dando início à quadra junina. Nos demais domingos, o cortejo se repete, com o Batalhão da Estrela (banda integrada pelos músicos formados pelo Arraial do Pavulagem), os integrantes fiéis do movimento, e milhares de simpatizantes, que muito agregam ao evento.
Cerca de 26 mil pessoas acompanham cada arrastão, subindo a Avenida Presidente Vargas até ao cruzamento com a Rua Osvaldo Cruz. Num carro de som que vai à frente, um animador vai contextualizando os elementos presentes naquele universo. Na sequência, constituem-se alas de brincantes, que se organizam espontaneamente pela ordem de chegada, os cavalinhos e boizinhos que as crianças assumem, os estandartes dos santos empunhados geralmente pelas senhoras mais velhas do grupo, os brincantes, os músicos, os bois (Pavulagem, Malhadinho, Urube) e outros convidados (quase sempre os tradicionais dos bairros de Belém), os pernas-de-pau (que desempenham o papel de harmonia do conjunto) (Figura 3), os simpatizantes que assistem e, no final, seguem o cortejo” (Lima & Gomberg, 2012).

Figura 3 – Fotografia “Os pernas-de-pau”. Foto disponível em “https://www.facebook.com/arraialdopavulagemoficial/photos/a.2545408168805387/2545419658804238/?type=3&theater”. Acesso em 02 mar. 2020

“Uma vez na Praça, todos se organizam no centro, em volta do palco em que a banda realiza um show, e, cada vez mais, a população canta em coro, acompanhando as músicas. No último domingo de junho o mastro é derrubado, encerrando a quadra festiva” (Lima & Gomberg, 2012).

Figura 4 – Fotografia “Batalhão da Estrela”. Foto disponível em “encurtador.com.br/dqzU7”. Acesso em 02 mar. 2020

O arrastão do pavulagem, com seu “estonteante bailar de nuances determinados por chapéus decorados com fitas acetinadas, adereços folclóricos suspensos em varas, boi-bumbá” e outros adereços, permite que todos possam participar na dança e ritmo folclórico. Os locutores anunciam “olha o boi” e como numa imersão cultural todos começam a dançar os passos simples da coreografia do boi, os chapéus vão ao ar, sendo balançados de um lado para o outro com as fitas ao vento (Figura 5).

Lueli Hage

Bibliografia

Lima, D. M., & Gomberg, E. (Novembro de 2012). Cultura, patrimônio imaterial e sedução no Arraial do Pavulagem. Textos escolhidos de cultura e arte populares, 9, pp. 53 - 67. Obtido em 02 de 03 de 2020, de http://www.tecap.uerj.br/pdf/v92/dula_maria_bento_de_lima_e_estelio_gomberg.pdf

(Artigo de opinião produzido no âmbito da unidade curricular “Economia do Turismo”, de opção, lecionada a alunos de vários cursos de mestrado da EEG, a funcionar no 2º semestre do ano letivo 2019/2020)